Página Principal Sobre Vitória Pamplona Livro de Visitas Parceiros e Links Contato
 
 
Atendimento no Pós-Parto e na Amamentação
Cursos para Profissionais
Psicodrama
Sexualidade
Artigos
Eventos
 
 
Desenvolvido por FW2 - Agência Digital
 
 

DIA DOS AVÓS 2014

Dia 26 de julho, a Igreja Católica, comemora o dia de Sant’Ana e São Joaquim, os pais de Maria, mãe de Jesus, e portanto avós de Jesus. Mesmo pessoas que não são religiosas comemoram este dia.

Por isso, pelo menos no Brasil, este é considerado o Dia dos Avós.
Em 2011 escrevi um texto sobre a importância do papel dos avós no ciclo de gravidez, parto e pós-parto, texto que ainda pode ser consultado no aqui no site.

Hoje quero acrescentar algumas palavras sobre as idéias que os futuros avós têm a respeito das expectativas de seus filhos sobre o papel dos avós nos momentos de gravidez, parto, pós-parto e amamentação.

Muitas vezes, os futuros avós pensam que sua filha(o) ou nora/genro desejam que ela esteja presente no parto ou que vá passar alguns dias ou até mesmo o primeiro mês de vida do bebê na casa deles. Ou, ao contrário, pensa que o casal deseja enfrentar sem a presença dos avós os desafios destes primeiros momentos. Estas expectativas podem estar em consonância com o que os grávidos esperam ou não.

Dependendo de como é o relacionamento dos grávidos com sua família, eles podem, por exemplo, terem dificuldades de expressar que querem enfrentar estes momentos sem a presença constante dos avós, que desejam ajuda apenas em determinados momentos. O casal grávido pode também querer esta ajuda constante, mas ter dificuldades de solicitarem-na.

Não há um modelo certo e outro errado de presença dos pais ou sogros nestes momentos.

E como pode haver desencontro entre as expectativas de filhos e pais, seria muito bom que houvesse uma conversa sobre este assunto ainda na gravidez.
Os grávidos podem achar constrangedor falar sobre suas expectativas, com seus pais ou sogros.

Assim, sugiro que os futuros avós tentem lembrar de como viveram eles próprios estes momentos, que expectativas tiveram e se estas expectativas foram atendidas ou não. E lembrando de suas experiências, sejam os futuros avós que “puxem” a conversa com os grávidos e aceitem as expectativas deles. Se os futuros avós não se sentem em condições de proporcionar as ajudas esperadas, é bom que os grávidos saibam logo para providenciarem outro esquema. Se os futuros avós esperavam estar presentes mais frequentemente do que os filhos desejam, também será melhor que saibam logo e aceitem que o casal tem direito de viver sua experiência como quiserem sem que isto signifique sempre uma rejeição.

Quero desejar um feliz dia dos avós aos que já são e aos que estão em via de sê-lo, seja pela primeira vez ou não.